Renata Venturini, blog: POR AÍ...

Páginas

POR AÍ...

Bom dia viajantes!!!!

Ai ai... vamos embarcar em mais uma aventura? 


Hoje vamos fazer uma viagem diferente! Para um lugar que vemos nos filmes, mas dificilmente pensamos em ir visitar! 
Um lugar extraordinário e diferente da nossa cultura!

Convidamos uma cliente linda, inteligente e super entendida do assunto para nos guiar neste lugar exótico!

Adivinha para onde ela vai nos levar hoje?

Apertem os cintos que 
ALINE TEDESCHI 
vai nos levar à 

CHINA!

***


你好 (nihao - olá) pessoal!

Fiquei muito satisfeita com o convite pra participar do Por Aí! Através dele a gente pode ter o gostinho de viajar com os olhos e conhecer um pouco mais de outros países. Fiquei ainda mais satisfeita porque poderia mostrar algumas peculiaridades de um país que quase ninguém conhece: a China! Sim, meus caros, é longe, mas vale MUITO a pena!

Cursando Relações Internacionais na Graduação (2008-2011), tive a oportunidade de viajar para a cidade de Wuhan, que fica na província de Hubei, em 2010, num curso de verão para aprender história chinesa e língua mandarim, durante o mês de julho. Depois de 24 horas de viagem de avião (cansa!), não consegui pregar os olhos durante dias, tamanha a ansiedade por conhecer tudo sobre aquele país.






Umas das primeiras coisas que me chamaram a atenção na China foi sua impressionante dinâmica acelerada, suas nuances culturais, sua mistura de tradicional e moderno (seja em construções, em roupas, em costumes), e a hospitalidade com que fomos recebidos no país. 




Em um mês (pouquíssimo para se conhecer um país tão incrível), pude conhecer vários pontos turísticos, como a famosa Muralha da China!

A extensa e labiríntica Cidade Proibida:


A mística Montanha Wudang, berço da filosofia e da prática Tai Chi Chuan:



E o maior rio em extensão na Ásia, o Yang Tze, gravado nas notas de 10 Yuan:


Ainda pude ter o prazer de trocar conhecimentos culturais com amigos chineses, como culinária, música, leitura, e até futebol!





Em se tratando deste divino blog, não posso deixar de comentar sobre as vestimentas chinesas!
Como parte vital de qualquer civilização, as vestimentas desempenham um importante papel na cultura e na história do país. As roupas na China imperial podiam indicar a hierarquia de uma pessoa: a cor amarelo-ouro somente podia ser usada pelo imperador, por exemplo, e os adereços na cabeça eram tanto mais detalhados e maiores quanto mais ricas eram as pessoas que os usavam.





As roupas na China imperial eram bordadas com muito detalhamento e confeccionadas em cores vibrantes. Foram utilizadas até o fim da última Dinastia (Dinastia Qing – 1911), mas ainda hoje são utilizadas em diversos festivais temáticos e encenação de teatros.

 É interessante destacar os famosos “Pés-de-lótus”:











Essa técnica de enfaixamento dos pés das mulheres, que os deixavam com o tamanho de três polegadas,teve provável início no Século X e foi abolido somente em 1949! Dizia-se que a mulher se tornava mais feminina ao ter os pés mais pequeninos e delicados (e deformados, diga-se de passagem), e que o seu andar mais lento e sutil, obviamente dificultado pelas fortes dores nos pés que elas sentiam, indicavam uma fragilidade que os homens chineses na época apreciavam.
Pouco antes do início da instauração da República Popular da China (1912) por Mao Zedong, ficaram famosos os Casacos Mao para os homens e os qipaoou cheongsam(que significa somente “vestido longo”) para as mulheres.








Conforme o regime ditatorial chinês foi sendo enrijecido, qualquer extravagância na forma de vestir era mal visto e considerado “burguês” ou “contra-revolucionário”.


 Neste momento os 
Casacos Mao 
foram usados tanto por homens quanto por mulheres, e eram diferenciados de forma sutil para as pessoas que eram do Partido Comunista, e os que não eram. 

Umas das únicas maneiras, para as mulheres, de diferenciarem seus estilos, era mudando a forma como arrumavam suas 

tranças no cabelo 

(ora presas com lacinho, ora formando um coque, ora feitas em dupla, etc.), já que seus cabelos geralmente ou estavam no comprimento dos ombros, ou tinham de estar presos.





Somente no final da década de 1970, quando a China iniciou sua abertura econômica para o mundo, é que as vestimentas chinesas receberam influência do exterior.
















Atualmente, assim como em muitos outros aspectos desta sociedade, a moda chinesa 
mistura o antigo ao novo. 










Botões de tecido bordados, vestidos qipao e motivos de dragões, leões e fênix, ainda são ícones na vestimenta chinesa, e se misturam com leggings, jeans,saias curtíssimas, e motivos florais da moda ocidental.

Gostando ou não dos modelitos chineses, temos de reconhecer que o país é um tesouro cultural, e guarda em cada detalhe uma tradição milenar.

Espero ter podido dar um gostinho de “quero mais” desse lugar estonteante, o qual eu sigo estudando e escrevendo sobre desde que conheci!

A dica é: não se assustem com as diferenças e não tenham preconceito com relação a outras culturas quando forem viajar. 

A melhor viagem é aquela que você pode mergulhar de cabeça e de mente aberta!

Agradeço imensamente pelo convite em colocar algumas letrinhas aqui e trocar experiências, Bi!


谢谢(xiexie) Obrigada)!!



***

Gente, que demais!!!!

Empolgados para marcar a próxima viagem? Que irmos para a China?!

Eu amei! Confesso que os modelitos talvez não me cairiam muito bem, mas com certeza traria uma para casa!

Este mundo é tão grande, tem tanta coisa diferente para conhecermos!

Você já teve um experiência inusitada em um país diferente e quer dividir com a gente como fez a linda Aline?!

Então nos escreva e participe desta troca de conhecimentos!

Nine, muitíssimo obrigada por ter nos contado um pouco desta sua viagem à China que já dura tantos anos! 
Com certeza, foi uma experiência incrível e para nós que aprendemos um pouco também!

Obrigada! E que você possa fazer muito mais viagens e nos traga ainda mais aprendizado!


Gostaram?

Semana que vem tem muito mais! 

Até lá!

beijos

Um comentário: